“PEC 48 garantirá rigor e qualidade no uso de recursos das emendas”, diz Aécio

Aécio é relator da PEC na Comissão Especial da Câmara que altera o processo de repasse dos recursos de emendas do Orçamento Federal para estados e municípios

Foto : Alexssandro Loyola

“É possível garantir transparência e mais agilidade nas transferências de recursos da União aos municípios sem perda da qualidade técnica hoje oferecida às prefeituras. Todos aqueles que têm experiência, capacidade e poder de fiscalização serão chamados a participar desse novo momento que virá em favor da população”, afirmou o deputado Aécio Neves durante a última audiência pública realizada pela Câmara dos Deputados, nessa quarta-feira (23/10), para debate da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 48 que altera o processo de repasse dos recursos de emendas do Orçamento Federal para estados e municípios.

Aécio é relator da PEC na Comissão Especial da Câmara e anunciou que apresentará seu relatório no início do próximo mês.

“Essa proposta não é contra A ou contra B. Tem de ser a favor do bom uso do recurso público. Terei a serenidade necessária e buscarei a experiência que meus mais de 30 anos de mandatos consecutivos na vida pública me permitiram ter para apresentar, até o início do mês, o relatório que visa aperfeiçoar o processo das transferências para os municípios brasileiros, sem excluir a participação de ninguém”, afirmou o ex-governador.

Aécio destacou que a série de audiências promovidas pela comissão atestou a necessidade de mudança nas regras atuais, hoje feitas por meio de convênios com ministérios ou de repasses via Caixa Econômica Federal.

O excesso de normas reguladoras, que somam 184, e o alto custo das tarifas e vistorias técnicas cobradas pela Caixa, em média 10% do valor da emenda, são apontados pelos prefeitos e gestores públicos como causas dos atrasos em obras e perdas dos recursos.

“Consolidamos o sentimento de que é preciso ousar na busca de uma mudança absolutamente radical, mas não na burla da fiscalização. Ao contrário, vamos buscar instrumentos que possibilitem que a média, hoje de cinco anos, para execução de uma emenda parlamentar, seja drasticamente reduzida. Obviamente, permitindo também que os custos para execução dessas emendas sejam menores”, afirmou Aécio.

A portaria do Ministério da Economia publicada na semana passada fixando o limite de cobranças pela Caixa em 4,5% do valor da emenda confirma, apontou Aécio, o custo excessivo praticado nos últimos anos em prejuízo das prefeituras.

Na audiência de hoje falaram representantes da União dos Vereadores do Brasil e da Associação Brasileira de Câmaras. Na segunda-feira, Aécio coordenou o seminário regional sobre a PEC em Minas Gerais, estado brasileiro com maior número de municípios.

As audiências na Câmara já reuniram a Confederação Nacional dos Municípios, a Frente Nacional dos Prefeitos, representantes da Controladoria Geral da União, Tribunais de Contas, Ministério Público e da Caixa Econômica.

Controle dos recursos liberados

Sobre a ação de fiscalização no uso das emendas de obras e investimentos, Aécio disse que, quanto mais próxima do município onde o investimento ocorre, mais efetiva ela tende a ser.

“Não me parece que se garanta uma fiscalização adequada sobre a utilização de determinados recursos quando ela é feita exclusivamente pelo Tribunal de Contas da União. Quanto mais descentralizada, quanto mais próxima de quem é beneficiário dessas obras, maior a fiscalização das Câmaras de Vereadores, que têm este poder constitucional, do Ministério Público localizado nas comunidades brasileiras e dos Tribunais de Contas estaduais e municipais. Esses órgãos têm poder e a capacidade de cumprir esse papel e, espero eu, cada vez mais para que transferências cada vez mais expressivas de recursos do Orçamento possam chegar aos municípios brasileiros”, concluiu.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+